segunda-feira, 29 de maio de 2017

Na família de Oseias, o perdão restaurador




"Vai toma uma mulher adúltera e filhos da relação adultera; porque a terra adulterou apartando-se do Senhor." (Os 1.2) 

Oseias foi profeta Israel um tempo de grande apostasia religiosa e descalabro moral. O povo estava chafurdado no pecado, a violência campeava nas ruas, a injustiça dominava os tribunais e a idolatria reinava nos templos. Depois de Deus falar á nação por intermédio de vários profetas, agora fala pela vida do profeta Oseias. O casamento e os filhos de Oseias seria uma grande mensagem de Deus ao povo. Oseias casou-se com Gômer, mulher infiel. 

Tiveram três filhos, cujos nomes eram mensagem de juízo a nação: Jezreel, Lo-Ruama (Desfavorecida), e Lo-Ami(Nao-meu-povo). Os dois últimos filhos foram frutos da infidelidade de Gômer, que se transformou mais tarde numa prostituta cultural, ou seja entregou seu corpo para prostituição e rituais pagãos. Gômer abandonou seu marido e foi explorada com objeto sem valor quando já estava completamente acabada, foi posta no mercado para ser vendido como escrava. 

Oseias, o marido traído, deu o maior lance e comprou a própria esposa, não para humilhá-la, mas para amá-la e restaurá-la. Assim é o amor de Deus por nós. Ele não nos trata conforme nossas transgressões, mas segundo suas muitas misericórdias. Apesar de sermos infiéis, ele nos atraiu para si com cordas de amor, mudou nossa sorte e nos amou com amor eterno.


Gotas de amor - Hernandes Dias Lopes - 28/05

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Não , não somos obrigados a aguentar tudo.


A vida é feita para ser vivida , não suportada. Quando somos obrigados a relevar tudo, ignorando os nossos sentimentos , ignorando feridas ainda abertas, impomos a nós mesmos uma espécie de tortura psicológica. E não devemos impor sofrimento a ninguém, incluindo a nós mesmos, para agradar as outras pessoas.

Ser gentil, amigável e prestativo é uma coisa ótima. Se mais pessoas dispusessem de um pouco do seu tempo e energia para ajudar os outros , provavelmente o mundo seria um lugar bem menos hostil e viver seria muito mais leve.

Por outro lado, não devemos confundir gentileza com passividade. Não devemos permitir que abusem da nossa boa vontade e passem por cima de nós porque somos bonzinhos e vamos aceitar e perdoar tudo.

Acredito firmemente no perdão. Porém, acredito também que deve ser perdoado quem pede perdão, quem deseja ser perdoado, quem demonstra arrependimento e vontade de dar um novo rumo para a relação.

Não, não somos obrigados a aguentar tudo. Paciência tem limites. Ninguém precisa sair pelo mundo se vingando, mas também ninguém deve ser obrigado a conviver e a ser gentil e a distribuir beijinhos e sorrisinhos para quem nos provocou sofrimento, para quem nos magoou gratuitamente.

Na maioria das vezes, como afirma o ditado popular , quem bate , esquece . Mas quem apanha não. Quando ofendemos ou prejudicamos de forma mais objetiva uma pessoa , causando danos à sua vida , devemos sim tentar consertar o que fizemos de errado ou pelo menos tentar amenizar de alguma forma o estrago que provocamos.

Sim, nem sempre é possível consertar nossos erros. Nem sempre é possível se aproximar de quem prejudicamos para demonstrar nosso arrependimento. Em alguns casos , nos mantermos longe é o melhor a se fazer. Mas neste post, quero me centrar nos casos em que é possível voltar atrás e corrigir o erro e mesmo assim a pessoa se recusa. Quero me centrar no fato de que ninguém é obrigado a engolir tudo porque é gentil e amigável.

A vida é feita para ser vivida , não suportada. Quando somos obrigados a relevar tudo, ignorando os nossos sentimentos , ignorando feridas ainda abertas, impomos a nós mesmos uma espécie de tortura psicológica. E não devemos impor sofrimento a ninguém, incluindo a nós mesmos, para agradar as outras pessoas.

Não, não somos obrigados a conviver com gente que nos põe para baixo com um sorriso falso nos lábios e palavras pseudo educadas. Não somos obrigados a conviver com gente que rouba o nosso ar, que baixa a nossa energia , que nos promove qualquer tipo de constrangimento. Não somos obrigados a agradar quem não se esforça minimamente para nos alegrar. Não somos obrigados a nos sacrificar por quem não dá a mínima por nossos sentimentos. Não somos obrigados a compreender e a demonstrar empatia por quem nos atropelou feito um trator.

Como disse Caetano Veloso, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Sim, somos nós que conhecemos os nossos limites e sabemos até onde podemos caminhar sem forçar as articulações da alma. Somos nós que podemos mensurar o peso de uma ofensa e a extensão de um estrago sofrido em nossa vida.

Por: Silvia Marques
Blog: http://garotadesbocada.blogspot.com.br

Estranhismo Natural


Quando as coisas tem que acontecer elas acontecem todas juntas, e eu fico aqui dividida em sentimentos e pensamentos, sem saber o que fazer, nem como agir. Amor, pensamentos, planos, todos impossíveis, mas que insistem em viver em mim, e junto a isso fica a saudade, de algo bem distinto desses sentimentos impossíveis, é difícil largar tudo aquilo que se viveu por anos, é difícil deixar lá, preso em cada parede, um misto de sentimentos e de lembranças, sua rotina, seus passos todos deixados para trás, como se virássemos a pagina do livro da vida, e começássemos a escrever uma nova, com conteúdo desconhecido. Não posso mentir, estou com medo do novo, do inesperado, da mudança, medo da vida, do que pode vir pela frente, e esse medo me reprime, me espreme em meu coração, me fecha com todos esses sentimentos juntos, mas não está mais cabendo aqui dentro, e não sei como colocar pra fora, não sei.



Texto originalmente escrito em 19/12/2011

terça-feira, 6 de setembro de 2016

CONFISSÃO E ORAÇÃO SECRETA


”Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás”
 (Romanos 7:7)
   Estava no mais intimo do meu quarto mergulhada em minhas leituras diárias, quando comecei a ler um dos escritos do Pastor Presbiteriano e missionário Robert Murray, tal escrito, trata da Reformação Pessoal & a Oração Secreta, ao ler cada palavra me senti quebrada por dentro, me identifiquei com a dor de Murray ao falar sobre o seu pecado, e é sobre isso que vamos tratar hoje, na busca pela santidade, o arrependimento verdadeiro, a confissão A DEUS de nossos pecados mais íntimos, a dor do pecar, a vergonha em olhar para Cristo, santo, e sem macula, e olhar para nós mesmos, impuros por natureza, e o perdão que só Deus pode nos conceder.
   Logo no inicio de seu escrito, Murray diz: “Para manter uma consciência livre de ofensa, estou convencido de que eu devo confessar mais os meus pecados. Eu penso que eu devo
Ele introduz reforçando a importância da nossa confissão constante, Robert, conseguia sentir através da obra do Espirito Santo que habita em nós, quando algo era pecado, e sentia a enorme necessidade de confessar tal delito prontamente, me senti admirada pois ele tem razão ao falar isso, devemos sim, manter um arrependimento constante, e uma confissão sempre a ponta da língua, muitas vezes pecamos e nem percebemos, muitas vezes algo desagrada ao nosso Deus, e nem percebemos que o fazemos, e por isso devemos nos arrepender ate nisso, de mesma forma mais ainda daquilo que temos consciência que erramos. A agonia que Murray sentia pelo seu pecado era tão grande que ele dizia que em certos momentos de seu dia, no melhor momento como ele achava, depois do almoço e depois do chá, deveria confessar solenemente os seus pecados das horas anteriores, e buscar a sua remissão completa.

   O Pastor Robert nos mostra que devemos olhar para os nossos pecados à luz da santa lei, à luz da face de Deus, à luz da cruz, à luz trono de julgamento, à luz do inferno, à luz da eternidade, tendo isso um peso maior em nossos corações, ele nos mostra também, que devemos examinar os nossos sonhos, pensamentos vagueantes, predileções, ações recorrentes, hábitos de pensamento, sentimento, palavra e ação; as calúnias de nossos inimigos e as reprovações, e até gracejos dos nossos amigos, para descobrir os traços de nosso pecado predominante, assunto para a confissão.
   Queridas irmãs, devemos ir a Cristo para o perdão de cada pecado, devemos confessar os mesmo, pois Ele é fiel e justo para perdoar os nossos delitos e nos purificar de toda
injustiça (1 João 1:9). Devemos fugir de toda a tentação, de acordo com Provérbios 4:15: “Evita-o; não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo”, temos que constantemente, derramar o nosso coração a Deus, orando por inteira conformidade com Cristo, ainda acera do pecado Murray diz: “Eva, Acã, Davi, todos caíram através da concupiscência dos olhos. Eu devo fazer uma aliança comigo, e orar, “Desvia os meus olhos de contemplar a vaidade”. Satanás torna os homens não-convertidos como a víbora surda, ao som do evangelho. Eu devo orar para ser feito surdo pelo Espírito Santo a todos que querem me seduzir ao pecado.”. Nossa oração constante deve ser dessa forma irmãs, temos que nos recordar que não podemos omitir qualquer uma das partes da oração, cuja essas são, confissão, adoração, ação de graças, petição e intercessão. O correto seria que a oração viesse em primeiro lugar, ao amanhecer, que nossas primeiras horas do dia fossem orando secretamente ao nosso Deus, Davi diz: “Pela manhã ouvirás a minha voz, ó Senhor; pela manhã apresentarei a ti a minha oração, e vigiarei” (Salmos 5:3). Eu sinto que é muito melhor começar com Deus, ver Seu rosto primeiro, aproximar a nossa alma dEle, antes que nos aproximemo-nos de outrem. “Quando acordo ainda estou Contigo” (Salmos 139:18).

   Por fim, já certos que devemos ter consciência de uma oração e confissão constante, Murray encerra seu escrito com a seguinte frase: ”Estou convencido de que eu nunca devo fazer nada sem oração, e, se for possível, especial oração secreta, eu devo passar as melhores horas do dia em comunhão com Deus. Este é a minha mais nobre e mais frutífera ocupação, e isto não deve ser empurrado para qualquer canto.”. Que possamos amadas irmãs em cristo, aprender tudo isso, e manter nossos olhos fixos em Deus, e, nos dedicar a oração secreta reclusas a sós em nossa habitação. (Mateus 6:6)
Soli Deo Gloria

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

SEM TEMPO A PERDER


“Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios”.(Sl 90:12).
No meu texto anterior “HÁ TEMPO PARA TUDO!“, falei sobre o tempo de solteiras das jovens cristãs, nesse texto, continuarei a falar sobre tempo, o tempo que desperdiçamos com este mundo, este é um alerta as jovens que desperdiçam seu tempo com as futilidades e vaidades desse mundo. Já perceberam como o tempo passa rápido? Em um exercício simples de memória podemos perceber isso, lembre-se da ultima vez em que você sentou no chão sozinha e brincou com suas bonecas, parece que foi ontem não é verdade? Então, como o tempo passa rápido, e como o desperdiçamos em prol de nós mesmos dia a dia, e assim nos comportamos de maneira que não agrada a Deus. Ao exortar uma jovem, fiz a seguinte pergunta: ”Quando foi à última vez que você orou?” Ela escondendo as mãos e com os olhos baixos, me falou que naquela semana ainda não havia orado, e quando a perguntei sobre a última vez que ela havia lido bíblia, a resposta ainda foi mais triste, ela me respondeu que não lembrava. Quão triste meu coração ficou quando ouviu as respostas daquela jovem, é claro que a exortei sobre o tempo que ela perde com as coisas vãs da terra, e não o aproveita para a gloria de Deus, me entristeci, pois sei que o problema desta jovem é o mesmo de tantas outras. Jovens, o bom aproveitamento do nosso dia é algo que devemos aprender desde cedo, pois o utilizaremos por toda nossa vida, a distribuição correta do nosso dia, o momento certo para cada coisa, é algo simples que todos devemos compreender.
O puritano Richard Baxter falou: ”Mantenha uma alta estima do tempo e seja a cada dia mais cuidadoso de não perder tempo algum seu… E se a vã recreação, os trajes, os festejos, as conversas inúteis, a companhia não proveitosa, ou o sono forem quaisquer deles tentações para roubar-lhe alguma parte de seu tempo, da mesma forma aumente sua vigilância.”, Baxter nos alertou acerca da vigilância que devemos manter sobre nosso tempo, não devemos perdê-lo com coisas inúteis e não proveitosas que satisfazem os desejos humanos, mas sim usá-lo para a glória e vontade de Deus (I Pedro 4:2). Sempre fui uma grande apreciadora do sono, e por muito tempo fui uma pessoa bastante acomodada, porém, após Cristo me resgatar me tirando da morte em meus pecados me trazendo a vida, esse quadro mudou. Hoje, consigo ser vigilante e não permitir que essas coisas me atrapalhem, que o sono ou a preguiça me impeça de ir à igreja, de ler a bíblia ou orar. Da mesma forma jovens, vos advirto que aqueles minutos parados na frente de uma televisão assistindo um programa que não glorifica o nome de Deus é perca de tempo, concordo com o puritano C.H Spurgeon quando ele fala que: ”Para o homem que vive para Deus nada é secular, tudo é sagrado.”. Não pode existir o ”momento secular” ou o ”momento na carne” como alguns falam, o cristão verdadeiro vive na busca constante por andar segundo o que as escrituras ordena: em santidade; porém para muitos que se dizem cristãos eu posso utilizar uma frase da canção Sagrado da banda Palavrantiga: ”É que o sagrado se tornou hilário, ascendeu em Abril, se espatifou em Maio.”. Para muitos que se dizem Cristãos, em Abril quando comemoramos a páscoa tudo é sagrado, porém em Maio, esse sagrado se espatifa e deixa de existir.
Queridas jovens, somos chamadas a ser diferentes e não nos amoldar aos padrões desse mundo, devemos experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12:2), e gastando nosso tempo com as coisas vãs da terra isso não ocorrerá. As horas gastas em conversas profanas com suas amigas, olhando a vida de outras pessoas nas redes sociais, ou assistindo a programa inúteis deveriam ser horas gastas em leitura da palavra, oração, e ouvir bons sermões, devemos evitar torpezas, parvoíces e chocarrices, e sim dar ações de graças a Deus (Efésios 5:4), devemos fazer como Paulo nos instrui em Efésios 5:19 falar entre nós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor em nossos corações. Quantas vezes damos mais atenção a uma conversa inútil do que a oração que fazemos antes de dormir, negligenciando a reverência adormecendo em tal momento, quantas vezes paramos para ler uma piada imoral, e não lemos um salmo, ou entramos na livraria e compramos um best seller de fábulas anti-cristãs, e não compramos um livro que fale sobre, por exemplo, dos atributos de Deus, uma hora na igreja parece tão longa, e uma hora em uma festa parece tão rápida, tudo isso é perder tempo com as coisas vãs desse mundo, é estar sentada sem fazer nada, quando se poderia estar de joelhos orando pelos missionários que estão pelo mundo a fora, é preferir dormir no domingo de manhã ao ir à Escola Bíblica Dominical.
Perdemos tempo também em conversas fúteis com nossos amigos não cristãos, quando poderíamos estar pregando para os mesmos. Não gaste seu tempo em ociosidade e conversas não proveitosas enquanto você poderia estar pregando para seus familiares, ou em conversações com pessoas santas sobre coisas das mais altas importâncias, em oração e meditação, e lendo livros proveitosos. Você precisa melhorar cada talento e oportunidade ao máximo enquanto o tempo ainda perdura. O puritano Jonathan Edwards escrevendo sobre o tempo disse: ”Considere quanto tempo você já perdeu… Você deve aplicar a si mesmo o mais diligentemente possível para o aproveitamento da parte de tempo que lhe resta, para que você possa viver como se fosse para remir o tempo perdido.” Que nós possamos aproveitar o tempo que nos resta a fim de que o vivamos para a glória de Deus, pois, se não quisermos gastar o nosso tempo vivendo inteiramente para glória de Deus aqui na terra, como então poderemos almejar o céu, se lá viveremos juntos em comunhão contemplando a glória divina e adorando ao nosso Senhor eternamente.
”Se nós tivermos vivido cinquenta, sessenta ou setenta anos, e não tivermos feito bom uso de nosso tempo, agora nada se poderá fazer quanto a ele. Ele está eternamente perdido, foi-se para sempre de nós. Tudo o que poderemos fazer é fazer bom uso do pouco que resta. Sim, se um homem gastou toda a sua vida, exceto alguns poucos momentos, de forma vã, tudo o que passou está perdido, e apenas estes poucos momentos que restam poderão ser feitos verdadeiramente dele. E se todo o tempo de um homem foi gasto, ele está todo perdido e é irrecuperável. A Eternidade depende do bom aproveitamento do tempo. Mas, quando uma vez o tempo da vida houver passado, quando a morte chegar, não temos nada mais com o tempo; não há possibilidade de obter a restauração dele, ou outro lugar no qual se preparar para a Eternidade. Se um homem perdesse todas as suas propriedades e riquezas terreais, e chegasse a falência financeira, é possível que pudesse se recuperar desta perda. Ele pode ter outros bens tão bons quanto. Mas quando o tempo da vida se esvai, é impossível obter novamente este tal tempo. Todas as oportunidades de obter o bem eterno terão absolutamente e para sempre se perdido.” (Jonathan Edwards).
”Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.” (João 13:17).
Soli Deo Gloria
Rebeka França
© Donna Charada - 2012. Todos os direitos reservados.
Criado por: MPC Criação.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo